Jump to content
Sign in to follow this  
You need to play a total of 10 battles to post in this section.
MaxVladimus

Explicação técnica para as moedas de troca no Arsenal

6 comments in this topic

Recommended Posts

69
[MBR]
Members
230 posts
5,683 battles

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2129621340697535&id=1909055039420834

A WG irá adicionar adicionar mais duas novas moedas de troca ao nosso Arsenal: o latão (brass) e o molibdênio (molybdenum). Então achei interessante explicar o porquê escolheram adicionar esses dois materiais e a importância deles na vida real para a indústria naval, com uma abordagem mais técnica. Ainda bem que a primeira ideia de utilizar conchas do mar não foi boa e não foi pra frente.

Começando pelas 3 moedas já existentes: o óleo, o aço e o carvão.

Começando pelo carvão. A maioria dos navios do jogo (não tenho certeza se são todos) são movidos à vapor, ou seja, sua potência de deslocamento vem de turbinas ou de conjuntos cilindros-pistões que são alimentados por vapor d'água em altas pressões provenientes das caldeiras. Nas caldeiras, têm-se as fornalhas, onde o combustível é misturado com ar e queimado para gerar calor, aquecer a água e produzir o vapor necessário. O carvão era adicionado a fornalha por um sujeito com uma pá (como uma cena no filme do Titanic) ou pulverizado na forma de pó. Os navios da pré Primeira Guerra a até metade do período entre-guerras são quase todos movidos a base de carvão ( Tier 2 -> ~tier6).

Depois do carvão, o óleo mineral passou a ser o novo substituo para o carvão. O óleo era bombeado dos tanques e pulverizado, com um mistura de ar, dentro da fornalha e queimado como um lança-chamas. Como combustível, o óleo libera mais calor do que o carvão, quase não produz resíduos físicos (carvão gera muita cinzas que absorvem e retêm o calor após a queima) e a combustão é quase que completa. As 8 caldeiras do Iowa podiam gerar quase 212k hp de potência com os seu 2,5 milhões de galões de combustível com um alcance de 20 mil milhas náuticas (37.040 km), enquanto o vovô Mikasa chegava a meros 16k hp de potência e alcance de apenas 4 mil milhas náuticas (7.408 km). Os navios do tier 6 -> tier 10 utilizam óleo mineral como combustível. E talvez alguns DDs utilizem, ou já utilizaram em algum momento, motores a Diesel.

Também o óleo é utilizado como lubrificante e graxa para as várias partes e mecanismos que têm contato físico. Graxa é um tipo de óleo mineral com altíssima viscosidade (resistência ao escoamento e de se comportar como um líquido, por isso que tem aparência pastosa).

O aço é principal matéria-prima na fabricação dos navios e das suas partes, na maioria dos navios do jogo o convés é madeira, por sua grande versatilidade, disponibilidade e propriedades mecânicas. Tecnicamente falando, o aço é uma liga de ferro-carbono que podem conter adições de outros elementos de liga em sua composição, em outras palavras, é uma liga metálica muito versátil e existem dezenas de tipos de aços comercializados. Para cada seção do navio, utiliza-se um tipo de aço específico com determinadas propriedades. Por exemplo, o aço da blindagem das baterias principais deve ter alta dureza para suportar os impactos dos projéteis enquanto que o aço do casco deve ter maior resistência a corrosão.

O latão é uma liga de cobre onde o principal elemento de liga é o zinco e com a adição de outros elementos. As hélices dos navios são feitas a partir de latões, pois esses materiais possuem boa resistência a corrosão em meios salinos, alta resistência a abrasão (o atrito da água salgada com a pá da hélica desgasta a superfície), podem ser fundidos em uma única peça e são fáceis de serem usinados. Sim as hélices são fundidas em uma única peça e depois usinados para limpar a superfície. O vídeo aqui mostra uma hélice sendo feita: 

 

 

O molibdênio é um elemento que é adicionado durante a fundição das ligas de aço que mais tarde irão compor as estruturas do navio. Ao se adicionar o molibdênio, ele ajuda a aumentar a resistência a corrosão do aço (não tanto quanto o zinco ou cromo), resistência a fluência (falha do material ao ser submetido a uma força constante e prolongada) e melhorar a soldabilidade (não é fácil obter um cordão de soldão que consiga unir por completo o espaço entre chapas muito grossas).

Fontes: 

Geração de Vapor. 2 ed. BAZZO, Edson.

 vídeo World of Warships Naval Legends Iowa

https://ussmissouri.org/learn-the-history/the-ship/ship-characteristics#

Ciência e Engenharia dos Materias: Uma Introdução. 5 ed. CALLISTER JR., William D.

Tecnologia Mecânica Materiais de Construção Mecânica Vol. 3. 2 ed. CHIAVERINI, Vicente.

Edited by MaxVladimus
  • Cool 5

Share this post


Link to post
Share on other sites
8
[FARCE]
Members
59 posts
2,313 battles

Wou, muito bom. Esse vídeo da hélice é realmente incrível e hipnotizante.

Mais moedas... ._. 

Share this post


Link to post
Share on other sites
25
[C4]
Members
45 posts
11,444 battles

Interessante conhecer um pouco mais a fundo sobre o uso de cada metal e sua relação com a fabricação naval

Share this post


Link to post
Share on other sites
131
[URSAL]
Members
514 posts
10,558 battles
On 21/07/2018 at 4:31 PM, MaxVladimus said:

sua potência de deslocamento vem de turbinas.

O uso de turbinas não era universal. Muitos dos barcos que usamos tinham eixos movidos por biela a vapor, não turbinas. Apesar do primeiro barco a turbina ter sido desenvolvido em 1894, o problema maior era a pouca capacidade em HP que os motores elétricos geravam. Portanto a evolução para uso em grandes barcos veio aos poucos.

Uma turbina a vapor eficiente na verdade gera vapor para fazer girar um motor elétrico, e este motor que oferece a tração em HPs.

O primeiro grande navio a usar uma turbina a vapor foi o Conde de Savoia, navio de cruzeiro italiano. Ele bateu o recorde de velocidade de sua época. foi comissionado em 1932. 

Navios comissionados no final da década de 30 já tinham grandes turbinas a vapor. Antes dessa época Destroyers e Cruzadores leves receberam este tipo de propulsão.

http://www.wikiwand.com/pt/Turbina_a_vapor

https://pt.wikipedia.org/wiki/Propulsão_naval

 

  • Cool 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
131
[URSAL]
Members
514 posts
10,558 battles

O Titanic, por exemplo, tinha motores movidos por biela a vapor.
 

Edited by Fabianocc

Share this post


Link to post
Share on other sites
69
[MBR]
Members
230 posts
5,683 battles
6 hours ago, Fabianocc said:

O uso de turbinas não era universal. Muitos dos barcos que usamos tinham eixos movidos por biela a vapor, não turbinas. Apesar do primeiro barco a turbina ter sido desenvolvido em 1894, o problema maior era a pouca capacidade em HP que os motores elétricos geravam. Portanto a evolução para uso em grandes barcos veio aos poucos.

Uma turbina a vapor eficiente na verdade gera vapor para fazer girar um motor elétrico, e este motor que oferece a tração em HPs.

O primeiro grande navio a usar uma turbina a vapor foi o Conde de Savoia, navio de cruzeiro italiano. Ele bateu o recorde de velocidade de sua época. foi comissionado em 1932. 

Navios comissionados no final da década de 30 já tinham grandes turbinas a vapor. Antes dessa época Destroyers e Cruzadores leves receberam este tipo de propulsão.

http://www.wikiwand.com/pt/Turbina_a_vapor

https://pt.wikipedia.org/wiki/Propulsão_naval

 

Bem apontado. Eu só deixei informações de lado para não ficar um parágrafo muito extenso, por isso que eu escrevi ou na frase para deixar mais generalizado.

 

7 hours ago, Fabianocc said:

O Titanic, por exemplo, tinha motores movidos por biela a vapor.
 

E mais precisamente, o Titanic utilizava 2 motores a vapor por expansão tripla mais uma turbina a vapor pequena

  • Cool 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×