Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'brasil'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • World of Warships - News and Information
    • News And Announcements
    • Updates and PTS
    • Developer's Corner
    • Community Volunteer Programs
  • Feedback and Support
    • Game Support and Bug Reporting
    • Player Feature and Gameplay Suggestions
    • Game Guides and Tutorials
  • General WoWs Discussion
    • General Game Discussion
    • Discussions about Warships
    • Player Modifications
  • Off Topic
    • Historical Discussions and Studies
    • Off-Topic
  • International Forums
    • Foro en Español
    • Fórum Brasileiro
  • External testing groups
    • Supertest Academy
    • Supertest
    • Clantest

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Discord


Twitter


Website URL


Instagram


YouTube


Twitch


Skype


Location


Interests

Found 4 results

  1. James_I_of_Great_Britain

    o Juruá e seus irmãos

    Uma boa noite para você que veio para cá. Nesse topico, eu vou discutir um pouco sobre o destroyer Pan Americano/brasileiro Tier VI Juruá. Aqui eu vou falar um pouco da sua historia e de seus navios irmãos e dar uma ideia geral de o que eles fizeram durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1938, o Brasil encomendou 6 contra torpedeiros (destroyers) da então classe Juruá do Reino Unido como parte do Plano Naval para 1939, mas, com o inicio da Segunda Guerra, o Reino Unido se viu na necessidade de expandir seu numero de contra torpedeiros, e por conta disso, o Brasil decidiu construir em territorio nacional a classe Acre de contra torpedeiros, que foram construidos na Ilha das Cobras e possuiam o design inspirado na classe H de contra torpedeiros da Marinha Real e possuia equipamentos e armamentos americanos. Os 6 Contra Torpedeiros da Classe Juruá eram: Juruá, que depois virou HMS Harvester (H-19); Javary, que depois virou HMS Havant (H-32); Jutahy, que virou HMS Havelock (H-88); Juruena, que virou HMS Hesperus (H 57); Jaguaribe, que virou HMS Highlander (H-44); e por fim Jupurá, que virou HMS Hurricane (H-06). A principal diferença desses navios em relação as outras unidades da classe "H" construídas para a Marinha Real era o fato dos nossos navios terem um reparo de 4.7 pol. a menos que os navios ingleses, além de uma maior capacidade de armazenagem de cargas de profundidade ou minas e diferenças nos equipamentos e no arranjo interno. Vamos agora dar uma olhada na historia de cada navio. Juruá (HMS Harvester) Recebeu esse nome em homenagem a um rio na Amazônia. Sua construção foi encomendada em 1936 e sua construção foi completada em 29 de setembro de 1939 ,Com o inicio da 2ª Guerra Mundial, nenhum dos navios de sua classe foi entregue, sendo requisitados pelo Almirantado Britânico em 4 de setembro de 1939 e Juruá foi rebatizado como HMS Harvester. Durante a Guerra, Harvester participou de missões de bombardeio, escolta de comboio e combates contra submarinos alemães no Atlantico, Canal da Mancha e Mediterrâneo. Harvester foi afundado em 11 de março de 1943 pelo submarino alemão U-432 enquanto escoltava o comboio HX-228 que saia do canadá. Javary (HMS Havant) Recebeu esse nome em homenagem ao Rio Javary, um dos afluentes do Rio Solimões. Foi encomendado em 1936 e construção completada em 17 de julho de 1939 mas foi comprado pela Marinha Real e renomeado HMS Havant em 4 de setembro de 1939. Havant possui a carreira militar mais curta dentre os seus 6 navios irmãos, tendo sido afundado em 1° de julho de 1940 em Dunkerque para evitar ser capturado pelos alemães. Jutahy (HMS Havelock) Recebeu esse nome em homenagem ao Rio Jutahy, um dos afluentes do Rio Solimões. Foi encomendado em 1936 e sua construção foi completada em 16 de outubro de 1939 e requisitado em 4 de setembro pela inglaterra e rebatizado como HMS Havelock. Havenlock possui uma carreira relativamente tranquila e chegou a servir durante toda a Segunda Guerra. Alguns de seus feitos mais notaveis são: Capitania da escolta do grupo B5 e afundou o submarino alemão U 767 em junho de 1944. Harvester foi vendido para desmanche em 31 de outubro de 1946. Juruena (HMS Hesperus) Recebeu esse nome em homenagem ao rio homônimo no Mato Grosso que é tributário do Tapajós. O Juruena foi encomendado em 1936, teve sua quilha batida em 6 de julho de 1938 e foi lançado em 1º de agosto de 1939 e sendo requisitados pelo Almirantado Britânico em 4 de setembro de 1939. Foi incorporado como HMS Hesperus. Hesperus foi o navio que mais esteve em combate dentre seus outros 6 irmãos, alguns de seus feitos notáveis são: Em 1940, O Hesperus, era capitânia do Grupo de Escolta B2. Em 7 de dezembro de 1941, acompanhado do CT HMS Harvester - H 19, participou do afundamento do Submarino alemão U 208, do Oberleutenant Alfred Schlieper, a oeste de Gibraltar. Em 15 de janeiro de 1942 afundou o submarino alemão U-93, e em 26 de dezembro entrou em combate com o submarino U-357 enquanto escoltava o comboio HX-219, onde arremeteu o mesmo submarino junto cm HMS Vanessa. Afundou mais 2 submarinos em 1943. Em 26 de novembro de 1946 , foi vendido para desmanche a uma firma de Grangemouth. O seu último comandante foi o Capitão-de-Fragata (RN) Stockler, que levou o navio para Grangemouth. O Comandante Stockler, mais tarde Comodoro realizou as provas de mar das nossas Fragatas da classe Niterói. Jaguaribe (HMS Highlander) Recebeu esse nome em homenagem ao rio e a cidade homônima localizada no Ceará. Foi encomendado em 1936, teve sua quilha batida em 29 de setembro de 1938 e foi lançado em 17 de outubro de 1939 e requisitado em 4 de setembro de 1939 e rebatizado HMS Highlander. Highlander teve uma carreira com pouco combate, a maior parte de seu serviço foi como escolta de comboio. Um dos atos mais notaveis enquanto esteve em serviço foi em 1940. Em 13 e 14 de setembro, acompanhado dos HMS Harvester, HMS Bulldog e HMS Beagle, bombardeou Cherbourg, quando realizava uma varredura pela Baia do Sena e em 30 de outubro, acompanhado do CT HMS Harvester - H 19, participou do afundamento do Submarino alemão U 32, do Oberleutenant Hans Jenisch, a noroeste da Irlanda. Highlander foi vendido para desmanche em 27 de maio de 1946. Japurá (HMS Hurricane) Recebeu esse nome em homenagem ao rio homônimo que é afluente do Solimões. Foi encomendado em 1936, teve sua quilha batida em 3 de julho de 1938 sendo requisitados pelo Almirantado Britânico em 4 de setembro de 1939. Foi lançado em 29 de setembro de 1939. Foi incorporado como HMS Hurricane.Serviu com o 1º Grupo de Escoltas, escoltando os conjuntos OS-62/KMS-36, e apoiou a FT americana do Porta-Aviões de Escolta USS Card. Em 12 de julho de 1943, recolheu um oficial e cinco praças, sobreviventes da tripulação do submarino U 506, afundado por um avião de patrulha Liberator - B 24 operando a partir de Gibraltar e os transportou para Casablanca (Marrocos), onde foram desembarcados e transferidos para o CT canadense HMCS Iroquois, que depois levou os prisioneiros para Inglaterra e em 24 de dezembro, às 20:57hs, foi atingido por um Gnat do Submarino alemão U 415, sendo afundado a nordeste dos Açores foi afundado no Atlântico Norte pelo Submarino alemão U415.Em 27 de dezembro, o CT HMCS Montgomery - G.95 partiu de Halifax para as Ilhas Britânicas transportando os sobreviventes do HMS Hurricane.
  2. Na live do EU no dia 02/12/21, foi anunciado, junto com a nova linha de destroyers italianos, o encouraçado brasileiro "Atlântico" de Tier VIII. Atlântico é o 4° navio da nação Pan-America e o 3° navio brasileiro no jogo e o 1° encouraçado da Pan-America e 1° encouraçado brasileiro no jogo, sendo os outros navios o Juruá e o Almirante Abreu, e nesse artigo quero trazer algumas curiosidades, fatos e referencias que esse navio possui. I- O nome e origem Bom, vamos começar com o nome "Atlantico". Esse nome nunca foi usado na marinha brasileira até o ano de 2018, quando o Brasil comprou da Inglaterra o HMS Ocean e o rebatizou de NAM Atlântico (A140). Outra referencia que pode ser notada é a origem desse encouraçado e o atual navio almirante da Marinha do Brasil, onde ambos são de origem Inglesa. E o fato que ambos os navios carregam armamentos de origem Americana. II- A Camuflagem Para o segundo fato eu trago a camuflagem, que pode parecer aleatória, mas não é. A camuflagem escolhida para esse encouraçado é referencia a camuflagem que foi pintada no encouraçado brasileiro São Paulo III- O Motivo de Armamentos Ingleses e Americanos Durante os anos de 1890-1918/19, a Marinha do Brasil buscava muitos projetos e parcerias com o Reino Unido, tanto apos o plano naval de 1905 que aprovou a construção de encouraçados e cruzadores, o Brasil buscou a Inglaterra e encomendou os futuros encouraçados São Paulo, Minas Geraes, Rio de Janeiro, os cruzadores de patrulha Bahia e Rio Grande do Sul e os Destroyers da classe Pará. Contudo, após 1919, o Brasil se viu politicamente, economicamente e militarmente sob a esfera de influencia dos EUA, tanto que a maioria dos armamentos e navios adquiridos pelo brasil durante e após a 2° Guerra são americanos. IV- De onde a WG se inspirou? Como você provavelmente notou, o design e a escolha dos armamentos secundarios é um tanto quanto...exotica. Bom, eu estou aqui para dar luz a essa escuridão e confusão. Pelas minhas interpretações, a WG se inspirou em 2 designs de 2 encouraçados que quase fizeram parte da Marinha Brasileira, um é o aclamado pela comunidade brasileira, o Rio de Janeiro, e outro, não tão conhecido, o encouraçado Riachuelo. O modelo que a WG escolheu para o Atlântico é o Design 782 do Riachuelo, que foi encomendado a Inglaterra pelo Brasil em 1913-1914, e a Armstrong and Vickers fez alguns designs para o que seria o Riachuelo, um dos designs favoritos foi o Design 782, com 10(5x2) canhões de 15 polegadas (381mm). Já a escolha do armamento secundario pode ser relacionado a um dos designs do nosso querido Rio de Janeiro (HMS Agincourt/Sultan Osman I Evvel), mais especificamente, Design 686, apelidado de Monstro de Bacellar, devido ao uso inotordoxo de canhões de 9.4 polegadas em torres como bateria principal. Abaixo eu trago para vocês os designs que falo. Caso se interessem nesses designs e queiram ver mais, eu tirei esses desenhos do livro "Warships for Export - Armstrong Warships" de Peter Brook Muito Obrigado pela sua atenção, e até uma proxima God Bless the King and God be with you James I, King of Great Britain
  3. Disputando Classificatória, série prata. Falta a string para VITÓRIA, ganhar estrela. Para derrota ta correto. IDS_REWARD_TAKEN é a nomenclatura que aparece com frequência no PTS, mas aqui é no release principal, 0.10.3....
  4. A T E N Ç Ã O : ⚓ CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS ⚓ [CFN] Iremos presentear o melhor Fuzileiro Naval com seguintes itens: 01 Prêmio do Tenente (30 dias); 3.500 dobrões; e 01 cargo de confiaça no Clã. Observação: A escolha sera feita com base nos índices disponíveis na lista de "Membros do Clã" publicação do vencedor e entrega do prêmio serão comunicada aqui nesta postagem dia 01/01/2018. Boa Sorte a todos... ADSUMUS!!!
×