Jump to content

DemetriusDF79

Members
  • Content Сount

    78
  • Joined

  • Last visited

  • Battles

    12521
  • Clan

    [DIVBR]

Community Reputation

57 Good

1 Follower

About DemetriusDF79

  • Rank
    Petty Officer
  • Birthday 11/14/1979
  • Insignia

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Manaus/AM, Brazil

Recent Profile Visitors

824 profile views
  1. DemetriusDF79

    Navio BR Camu Jurua

    Ainda...! kkkk
  2. Eu fiquei muito feliz de ver o seu trabalho. Parabéns pelo dote artístico e pela réplica construída.
  3. Agora eu sou mentiroso? É você quem diz se eu li ou não li? Eu estou neste jogo a 4 anos, você acha mesmo que eu não conheço o navipédia, sem falar do pai dos plagiadores (Wikipédia), fonte que utilizei para fazer minha proposta de navios brasileiros pra linha Pan-Americana? Tenha mais respeito! Ninguém vem aqui pra ser agressivo e ofensivo como você. Já li vários posts seus e você comete equívocos de informação, e nem por isso as pessoas ficam te atacando. Não. Você não aceita críticas. Seu post inteiro prova isso, por seu tom azedo e agressivo. Você só aceita aquilo que você quer aceitar. O Kaiser fez críticas muito maiores que as minhas (eu só fiz uma pergunta), no entanto, você ficou manso devido a competência dele em corrigir informações. Agora, ele tem trazido várias informações históricas e você não diz nada para recriminar o cara. Por quê??? Mas todas as respostas dos participantes tem ido em sentido contrário a sua sugestão, percebo que não por sua ideia, mas principalmente pela sua atitude. Agora eu gostaria mesmo que saber que informações "desnecessárias" eu trouxe e que "desvio de foco" eu supostamente fiz com minha pergunta. Mas pra falar a verdade, eu já até dispenso, pois com você parece não haver muito espaço pra conversa madura. Mas fique certo de uma coisa, se o pessoal da WG lê alguma coisa deste fórum, saiba que sua proposta já está prejudicada, pela sua atitude. No entanto, como expressei lá no começo, se ela for aceita, pela intercessão do Maredraco, ela será bem-vinda, pois eu gostei dela e acho que seria um bom ativo a linha pan-americana. Espero que dê certo. Não gosto de ficar desejando fracasso.
  4. I. Eu li o texto. II. Eu fiz uma constatação com base no seu texto e no que eu conheço do assunto. III. Fiz uma pergunta para sanar uma dúvida. IV. Não entendo a sua reação negativa a uma "suposta" crítica. Se você não gosta ou não suporta ser escrutinado e criticado em sua proposta, então pq publicou-a? V. Concordo. O Jogo não é um simulador, mas trabalha com verossimilhança histórica, que faz bastante diferença - é a primeira vez que eu vejo alguém querer jogar fora os dados históricos, informações fundamentais para a construção do jogo, na propositura de um novo consumível para o jogo. Pelo visto você não assiste os vídeos que a WG produz para mostrar como a equipe de desenvolvedores faz sua pesquisa prévia em literatura, arquivos, maquetes e consultoria militar. VI. Você precisa ser menos agressivo e estar aberto a críticas, aprendendo a interpretar o que o outro está a expressar. Eu não fiz uma crítica negativa a sua proposta. Tanto é que eu fiz uma ressalva e ainda expressei minha animação. Seja mais participativo usando mais o coração e não o fígado. Sem mais, obrigado pela resposta e esclarecimentos sobre esta tecnologia.
  5. A minha intenção não é de jogar terra na ideia apresentada, até por que eu gostei dela e seria uma contramedida muito bem-vinda aos radares. Fiquei empolgado. No entanto, esse tipo de tecnologia é muito moderna e ficaria muito distante do contexto do jogo, que aborda, sobretudo, o período de tempo entre 1890-1950. A tecnologia ECM na Segunda Guerra Mundial ainda era muito rudimentar e na Primeira Guerra Mundial, nem se fala. O uso mais antigo que se sabe foi durante a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), usando telégrafos. A pergunta é: como se daria isso no jogo?
  6. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Eu compartilho do mesmo entusiasmo. Espero que seja uma surpresa para nós a estreia da árvore pan-americana, mas os encouraçados talvez fiquem por último. Quem sabe, né?
  7. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Isso eu entendi. Eu estou levantando outro ponto. É o segundo navio partilhado. A questão é: Quem será o clone (se acontecer), Rio de Janeiro ou Agincourt?
  8. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Alguém notou que o Almirante Abreu é uma situação semelhante ao que aconteceu com o Encouraçado Rio de Janeiro/Agincourt? Será que isso pode ser um sinal de que o HMS Agincourt vai entrar no jogo e dividir o casco com o Rio de Janeiro, como o USS Albany vai fazer com o Almirante Abreu?
  9. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Sem dúvida. Trabalho competente.
  10. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Concordo. Isso é uma boa sinalização (e deve ter o dedo do @Maredraconisso). Eu estou com uma boa expectativa sobre isso. Eu pretendo comprar este navio sim. É um navio histórico da marinha brasileira e que serviu também aos EUA como USS Albany. Os CAs Almirante Abreu e o Amazonas, ambos da mesma classe, foram comprados pelos americanos aos brasileiros ainda no estaleiro da Inglaterra, antes que os espanhóis o fizessem, no âmbito da Guerra Hispano-Americana, com o fim de reforçar a US Navy, em seu esforço de guerra. Deste modo, o ex-Almirante Abreu tem muita história. Mas não ficamos de mãos abanando. Nós recebemos o Almirante Barroso, da mesma classe. Ao todo, quatro navios da mesma classe foram construídos pelos ingleses. O Albany e o New Orleans, que foram para os americanos, o Almirante Barroso, que veio para o Brasil e o Ministro Zenteno, que foi para o Chile.
  11. DemetriusDF79

    O Brasil entrou no jogo

    Valeu pelo feedback. Eu estou atrasado mesmo. Passei um mês doente de covid e fiquei por fora de tudo. Mas eu estranhei que eu não vi nada sendo comentado aqui no forum. Ou eu estou enganado?
  12. Bom dia, pessoal! Quem de vocês já está sabendo desta novidade??? https://thedailybounce.net/world-of-warships/world-of-warships-update-0-9-10-changes-and-additions-supertest-datamining-american-battleships-part-2-halloween-event-and-more/ Vem vindo: 1 capitão, 1 nova camuflagem, 1 navio premium e a jaque da Marinha do Brasil. Será que eu estraguei alguma surpresa? Bem, nada passa batido por muito tempo na internet... hehehehehehe!
  13. Boa tarde, pessoal. Eu gostaria de iniciar este tópico para que possamos conversar sobre algumas propostas de capitães pan-americanos para futura árvore navios argentinos, brasileiros, chilenos, etc. Se você conhece algum capitão ou almirante brasileiros, que tenha prestado grandes serviços ao seu país, ou sendo um herói de guerra, no âmbito da I e II Guerras Mundiais, postem aqui para que possamos conversar sobre o tema. Eu gostaria de iniciar com a proposta de alguns nomes para futuros capitães no jogo: 1. O Almirante Alexandrino Faria de Alencar (1848-1926) - Foi também senador e ministro da Marinha do Brasil por três vezes. Foi o reorganizador das forças navais brasileiras, quando à nova esquadra incorporam-se os mais poderosos navios da época, os encouraçados "São Paulo" e "Minas Gerais", os cruzadores "Rio Grande do Sul" e "Bahia" e dez contratorpedeiros. Foi o criador de vários institutos de ensino, como a Escola de Aviação Naval, em 1916. 2. Almirante Henrique Aristides Guilhem (1875-1949) - Promovido à patente de capitão-de-mar-e-guerra em 1921, foi comandante do encouraçado São Paulo. Foi ministro da Marinha do Brasil durante os anos de 1935-1945. 3. Vice-Almirante Jorge Dodsworth Martins (1884-1984) - Esteve embarcado como imediato do vapor de guerra Comandante Ferraz, comandante da Canhoneira Fluvial Acre, imediato do Cruzador Bahia (C-12), comandante do contratorpedeiro CT Paraná (CT-8), comandante do contratorpedeiro CT Piauhy (CT-3), comandante do contratorpedeiro CT Alagoas (CT-6), comandante do paquete Comandante Alvim, comandante do monitor fluvial Pernambuco e comandante do Vital de Oliveira. Durante a Segunda Guerra Mundial foi o comandante da Divisão de Cruzadores. Foi ministro da Marinha entre 1945-1946. 4. Vice-Almirante Edmundo Jordão Amorim do Valle (1893-1971) - Cursou a Escola Naval em 1909. Atuou da repressão à revolta tenentista de 5 de julho de 1922. Durante a Segunda Guerra Mundial foi adido naval junto à embaixada brasileira em Washington. Foi ministro da Marinha do Brasil no governo do presidente Café Filho, de 27 de agosto de 1954 a 11 de novembro de 1955. Foi homenageado em 1984, quando a Marinha do Brasil deu seu nome ao NHo Amorim do Valle (H-35). 5. Almirante Antônio Alves Câmara Júnior (1891-1958) - O Almirante Antônio Alves Câmara Júnior, foi um dos maiores incentivadores da hidrografia brasileira. Tomou parte da Primeira Guerra Mundial, embarcado no Cruzador Bahia, que compunha a Divisão Naval de Operações de Guerra.Chefiou o levantamento hidrográfico entre a Ponta de Santo Antônio e Porto Seguro, na Bahia, onde realizou estudos para a interpretação da carta de Pero Vaz de Caminha, visando a determinação do verdadeiro local do descobrimento de nosso país. Foi Comandante do Navio-Escola Almirante Saldanha, posteriormente transformado no primeiro navio-oceanográfico da Marinha. Durante seu comando, o Almirante Saldanha atravessou o Canal do Panamá, sendo o primeiro navio de guerra brasileiro a fazê-lo. Comandou ainda o Contratorpedeiro Mariz e Barros, durante a Segunda Guerra Mundial. Também foi Comandante do Encouraçado São Paulo e da Primeira Flotilha de Contratorpedeiros. 6. Almirante Pedro Max Fernando Frontin (1867-1939) - Foi um militar brasileiro, pertencente à Marinha do Brasil. Lutou ao lado da Tríplice Entente durante a Primeira Guerra Mundial. Foi Comandante-em-Chefe da Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), com a qual representou o Brasil na Primeira Guerra Mundial, operando nos mares do Norte da África e da Europa, ao lado das esquadras da Grã-Bretanha, da França, dos Estados Unidos da América e Japão. Foi comandante das belonaves: Encouraçado São Paulo, Cruzadores Rio Grande do Sul e Bahia, Contratorpedeiro Piauí e Aviso Laurindo Pitta. Participou da inusitada "Batalha das toninhas", próximo a Gibraltar. Exerceu ainda os cargos de Chefe do Estado-Maior da Armada, Ministro do Superior Tribunal Militar, Diretor da Escola de Guerra Naval, Comandante do Corpo de Marinheiros Nacionais, Comandante da 2° Divisão Naval e Comandante da Divisão de Encouraçados. Durante sua vida, ele foi condecorado com a Medalha de Ouro da Distinção dos EUA por seus serviços durante a Primeira Guerra Mundial, a Cruz do Leopoldo II da Bélgica ; a Medalha de Ouro da Itália; e a de Primeira Classe do Império Japonês. O seu lema era: "Quando não se pode fazer tudo o que se deve, deve-se fazer tudo o que se pode!" Estes foram alguns nomes que eu pude pesquisar. Na verdade, há poucas realizações de militares da marinha após 1889, devido ao pouco prestígio que esta arma teve durante a Primeira República Brasileira (1889-1930), sendo considerada pelos militares do Exército como um reduto de monarquistas. A história militar naval do Brasil é muito mais rica e cheia de personalidades durante o século XIX, no período que compreende o 1º e o 2º Reinados. Se alguém aqui conhece alguma biografia de um militar da marinha, que tenha sido comandante de navios durante as duas guerras mundiais, por favor, participe comentando e enriquecendo este tópico.
  14. DemetriusDF79

    Bandeira de Clã ....com bônus

    Eu também gostei da ideia. É uma elemento novo ao jogo que pode dar certo. O que você acha, @Maredraco?
×